Bem-vindo à página oficial da Assembleia da República

Nota de apoio à navegação

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
 
Passos Perdidos

Passos Perdidos

Pormenor da Sala dos Passos Perdidos, Carlos Pombo, 2009.

No topo da Escadaria Nobre, a Sala dos Passos Perdidos, adjacente à Sala das Sessões, funciona como o grande centro de encontros e desencontros entre os deputados, membros do governo e jornalistas. A sala, da autoria de Ventura Terra, foi erguida por cima do Átrio, respeitando e seguindo o traçado e dimensões deste, já por si adaptadas ao desenho original da igreja monástica beneditina. 

O teto foi construído em abóbada de berço - descarregando, nos extremos, em quatro colunas com fuste de mármore rosa, capitéis compósitos e bases de bronze dourado -, aligeirado e iluminado artificialmente através de uma claraboia de ferro e vidro amarelo e rosado, lembrando as soluções adotadas pelos arquitetos-engenheiros franceses e ingleses (muito particularmente a parisiense Gare d'Orsay, aliás concebida pelo mestre de Ventura Terra, Victor Laloux, que o viria novamente a influenciar no projeto do Pavilhão das Colónias, na Exposição de Paris, em 1900).

O teto está decorado com pinturas em dois grupos de três figuras alegóricas, um em cada uma das duas lunetas situadas nos extremos da abóbada (a Lei, a Justiça e a Sapiência; a Independência, a Soberania e a Pátria), respetivamente da autoria de João Vaz e de Benvindo Ceia, concluídas em 1926.

As paredes, de mármore branco e rosa, são marcadas por 18 pilares duplos adossados, e decoradas, entre eles, com seis painéis, pintados a óleo sobre tela por Columbano Bordalo Pinheiro. O pintor, que já se havia dedicado a decorações em edifícios públicos, tais como as do Museu de Artilharia, seguiu as exigências da encomenda de 1921 na representação das 22 figuras da História portuguesa, desde o século XIII ao século XIX, ligadas à política, à oratória e à administração pública.

As imagens das pinturas retratam as seguintes personalidades históricas:

- D. Dinis, João das Regras e D. João II;
- Febo Moniz, Padre António Vieira, D. Luiz de Menezes (Conde da Ericeira) e João Pinto Ribeiro;
- Conde de Castelo Melhor, D. Luís da Cunha, Marquês de Pombal e José Seabra da Silva;
- Manuel Fernandes Tomás, Manuel Borges Carneiro e Joaquim António de Aguiar;
- Mouzinho da Silveira, Duque de Palmela, Duque de Saldanha e José da Silva Carvalho;
- Passos Manuel, Almeida Garrett, Alexandre Herculano e José Estevão de Magalhães.

Estes seis painéis de Columbano Bordalo Pinheiro formam um conjunto histórico com um discurso que se desenvolve cronologicamente, desde a tela onde estão representadas as personagens medievais, até àquela onde surgem as figuras contemporâneas.

As paredes recuadas no acesso à escadaria das tribunas, foram pintadas, à esquerda, por Benvindo Ceia, representando Viriato (herói lusitano resistente à ocupação romana), e, à direita, por João Vaz, com uma alegoria à Convenção de Évora-Monte (assinada em maio de 1834, pondo termo à guerra civil entre liberais e absolutistas, com o consequente exílio de D. Miguel).

Por cima das portas laterais, encontram-se quatro leões em gesso patinado da autoria do escultor José Neto.

Construção da Sala dos Passos Perdidos, c. 1900

Construção da Sala dos Passos Perdidos, c. 1900 (OE).

Sala dos Passos Perdidos, 1903

Sala dos Passos Perdidos, 1903 (OE).

Sala dos Passos Perdidos (pormenor), ainda sem os painéis de Columbano Bordalo Pinheiro, 1914
Sala dos Passos Perdidos (pormenor), ainda sem os painéis de Columbano Bordalo Pinheiro, J. Fernandes, 1914.

 

Sala dos Passos Perdidos, Miguel Saavedra, 2011.

 

Vista lateral da Sala dos Passos Perdidos
Vista lateral da Sala dos Passos Perdidos, Miguel Saavedra, 2011.

 

Pormenor do teto da Sala dos Passos Perdidos
Pormenor do teto da Sala dos Passos Perdidos, Miguel Saavedra, 2011.

 

Painel retratando D. Dinis, João das Regras e D. João II
Painel de Columbano Bordalo Pinheiro retratando D. Dinis, João das Regras e D. João II, Miguel Saavedra, 2013.

 

Painel retratando Febo Moniz, Padre António Vieira, D. Luiz de Menezes (Conde da Ericeira) e João Pinto Ribeiro
Painel de Columbano Bordalo Pinheiro retratando Febo Moniz, Padre António Vieira, D. Luiz de Menezes (Conde da Ericeira) e João Pinto Ribeiro, Miguel Saavedra, 2013.

 

Painel retratando Conde de Castelo Melhor, D. Luís da Cunha, Marquês de Pombal e José Seabra da Silva
Painel de Columbano Bordalo Pinheiro, retratando o Conde de Castelo Melhor, D. Luís da Cunha, Marquês de Pombal e José Seabra da Silva, Miguel Saavedra, 2013.

 

Painel retratando Manuel Fernandes Tomás, Manuel Borges Carneiro e Joaquim António de Aguiar
Painel de Columbano Bordalo Pinheiro, retratando Manuel Fernandes Tomás, Manuel Borges Carneiro e Joaquim António de Aguiar, Miguel Saavedra, 2013.

 

Painel retratando Mouzinho da Silveira, Duque de Palmela, Duque de Saldanha e José da Silva Carvalho
Painel de Columbano Bordalo Pinheiro, retratando Mouzinho da Silveira, Duque de Palmela, Duque de Saldanha e José da Silva Carvalho, Miguel Saavedra, 2013.

 

Painel retratando Passos Manuel, Almeida Garrett, Alexandre Herculano e José Estevão de Magalhães
Painel de Columbano Bordalo Pinheiro, retratando Passos Manuel, Almeida Garrett, Alexandre Herculano e José Estevão de Magalhães, Miguel Saavedra, 2013.