Bem-vindo à página da Comissão Parlamentar

Nota de apoio à navegação

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Iniciar sessão
Versão áudio Contactos Mapa do site Website da AR Executar Pesquisa
Apresentação
Competências
Regulamento
Composição
Processo Legislativo Europeu
Processo Legislativo
Outros Pareceres
Actividades
Reuniões
Actas
Dossiers Temáticos
Planos de Actividade e Orçamento
Relatórios de Actividade
Arquivo de Destaques
Comissão de Assuntos Europeus
    Encerrado - Período de atividade [2007-10-23 a 2009-10-14]
Imprimir página
Regulamento
 
 

Ao abrigo do artigo 106º do Regimento da Assembleia da República, a Comissão de Assuntos Europeus adopta o seguinte Regulamento:

 

CAPÍTULO I

Denominação, composição, atribuições e competências da Comissão

 

Artigo 1º

Denominação e composição

1 – A Comissão de Assuntos Europeus é uma comissão especializada permanente da Assembleia da República.

2 – A Comissão tem a composição fixada pela Assembleia da República.

 

Artigo 2º

Atribuições e Competências

 1- A Comissão de Assuntos Europeus é a comissão parlamentar especializada permanente para o acompanhamento e apreciação global dos assuntos europeus, sem prejuízo da competência do plenário e das outras comissões especializadas.

2— Compete especificamente à Comissão de Assuntos Europeus, nos termos da Lei nº 43/2006, de 25 de Agosto:

a) Apreciar todos os assuntos que interessem a Portugal no quadro da construção europeia, das instituições europeias ou no da cooperação entre Estados membros da União Europeia, designadamente a actuação do Governo respeitante a tais assuntos;
b) Preparar parecer quando estiverem pendentes de decisão em órgãos da União Europeia matérias que recaiam na esfera da competência legislativa reservada da Assembleia da República;

c) Incentivar uma maior participação da Assembleia da República na actividade desenvolvida pelas instituições europeias;

d) Articular com as comissões especializadas competentes em razão da matéria a troca de informações e formas adequadas de colaboração para alcançar uma intervenção eficiente da Assembleia da República em matérias respeitantes à construção da União Europeia, designadamente no que se refere à elaboração do parecer sobre a observância do princípio da subsidiariedade de uma proposta de acto normativo pendente nas Instituições Europeias; e) Formular projectos de resolução destinados à apreciação de propostas de actos comunitários de natureza normativa;

f) Realizar anualmente uma reunião com os membros das Assembleias Legislativas das Regiões Autónomas e solicitar-lhes parecer, sempre que estiverem em causa competências legislativas regionais;

g) Intensificar o intercâmbio entre a Assembleia da República e o Parlamento Europeu, propondo a concessão de facilidades recíprocas adequadas e encontros regulares com os deputados interessados, designadamente os eleitos em Portugal;

h) Promover reuniões ou audições com as instituições, órgãos e agências da União Europeia sobre assuntos relevantes para a participação de Portugal na construção da União Europeia,

i) Promover a cooperação interparlamentar no seio da União Europeia;

j) Designar os representantes portugueses à Conferência dos Órgãos Especializados em Assuntos Comunitários (COSAC) dos parlamentos nacionais, apreciar a sua actuação e os resultados da Conferência;

m) Promover audições e debates com representantes da sociedade civil sobre questões europeias, contribuindo para a criação de um espaço público europeu ao nível nacional;

l) Proceder à audição e apreciação dos curricula das personalidades a designar ou a nomear pelo Governo para cargos nas instituições, órgãos ou agências da União Europeia.
3- Compete ainda à Comissão elaborar, até ao final da sessão legislativa, a sua proposta de plano de actividades e respectiva proposta de orçamento para a sessão legislativa seguinte, para serem submetidas à apreciação do Presidente da Assembleia.

 

Artigo 3º

Poderes

1– A Comissão poderá solicitar a participação de membros do Governo, nos termos do nº 3 do artigo 177º da Constituição e 102º nº 1 do Regimento.

2- Nos termos do artigo 102º do Regimento, a Comissão poderá ainda solicitar a participação nos seus trabalhos de quaisquer cidadãos, designadamente dirigentes e funcionários da administração directa do Estado, bem como dirigentes, funcionários e contratados da administração indirecta do Estado e do sector empresarial do Estado.

3- Em cumprimento do disposto na alínea g) do nº 1 do artigo 6º da Lei 43/2006 de 25 de Agosto, os deputados portugueses ao Parlamento Europeu poderão ser convidados a intervir nas reuniões.

4 – Nos termos do art.º 103º do Regimento, a Comissão pode requerer ou proceder a quaisquer diligências necessárias ao bom exercício das suas funções, nomeadamente:

a) Proceder a estudos;

b) Requerer informações ou pareceres;

c) Solicitar depoimentos de quaisquer cidadãos;

d) Realizar audições parlamentares;

e) Requisitar e contratar especialistas para as coadjuvar nos seus trabalhos;

f) Efectuar missões de informação ou de estudo.

CAPÍTULO II

Mesa da Comissão

 

Artigo 4º

Mesa e Competências

 

Os trabalhos da Comissão de Assuntos Europeus são coordenados por uma Mesa composta por um Presidente e dois Vice-Presidentes.

 

Artigo 5º

Competências do Presidente

Compete ao Presidente:

a) Representar a Comissão;

b) Convocar as reuniões da Comissão e fixar a Ordem de Trabalhos, ouvidos os restantes membros da Mesa;

c) Dirigir os trabalhos da Comissão e despachar o seu expediente;

d) Convocar e dirigir as reuniões da Mesa;

e) Coordenar e participar nos trabalhos das Subcomissões sempre que o entenda;

f) Informar, em nome da Comissão, sobre o andamento dos seus trabalhos;

g) Apreciar a justificação das faltas dos membros da Comissão;

h) Participar na Conferência dos Presidentes das Comissões Parlamentares; informando-a sobre o andamento dos trabalhos da Comissão;

i) Delegar no Vice-Presidente algumas das suas funções.

Artigo 6º Competências dos Vice-Presidentes

Compete ao Vice-Presidente substituir o Presidente nas suas faltas, ausências ou impedimentos e exercer as competências que por este lhe sejam delegadas.

CAPÍTULO III

Funcionamento da Comissão

 

Artigo 7º

Agendamento e convocação das reuniões

1 - As reuniões são agendadas pela Comissão ou, por iniciativa própria, pelo Presidente.

2 - Salvo agendamento na reunião anterior, a convocação das reuniões agendadas pelo Presidente é feita por escrito, através dos serviços competentes, com a antecedência mínima de 24 horas, devendo incluir a ordem de trabalhos.

3- A convocatória para a reunião é enviada aos membros efectivos na Comissão, sendo enviada informação da convocação da reunião aos membros suplentes na Comissão.

 

Artigo 8º

Quórum

1 - A Comissão reúne em plenário e só poderá funcionar com a presença de mais de metade dos seus membros em efectividade de funções.

2 - Se, decorridos 30 minutos da hora marcada para a reunião, não houver quórum, o Presidente, ou quem o substituir, dá-la-á por encerrada após o registo das presenças.

3 - As deliberações da Comissão são tomadas com a presença de mais de metade dos seus membros em efectividade de funções.


Artigo 9º

Ordem de trabalhos

1 – A ordem de trabalhos de cada reunião será fixada na reunião anterior ou, no caso de convocação pelo Presidente, estabelecida por este.

2 – A ordem de trabalhos pode ser alterada na própria reunião, havendo motivo justificável e desde que não haja oposição de qualquer membro da Comissão.

Artigo 10º Interrupção das reuniões

1 – Os membros de cada Grupo Parlamentar podem requerer ao Presidente a interrupção da reunião, por período não superior a 30 minutos, não podendo o Presidente recusá-la, se o Grupo não tiver exercido esse direito durante a mesma reunião.

2 – Sem prejuízo do disposto no nº 1 e quando a Comissão, excepcionalmente e mediante prévia autorização do Presidente da Assembleia da República, reúna durante o funcionamento do Plenário, deverá interromper os trabalhos para que os seus membros possam exercer o direito de voto no Plenário, nos termos do nº 2 do artigo 65º do Regimento.

 

Artigo 11º

Discussão

1 – As intervenções dos membros da Comissão não estão sujeitas a limite de tempo.

2 – O Presidente ou qualquer dos Grupos Parlamentares representados na Comissão poderá, no entanto, propor normas de programação dos tempos de discussão de modo a dar cumprimento aos prazos estabelecidos pela Assembleia da República para conclusão dos trabalhos.


Artigo 12º

Processo de apreciação

1- A Comissão procede à distribuição das propostas de conteúdo normativo, bem como de outros documentos de orientação da UE, quer pelos seus membros, quer pelas outras comissões especializadas em razão da matéria, para conhecimento ou parecer.

2- Sempre que tal seja solicitado pela Comissão, as outras comissões especializadas emitem pareceres fundamentados.

3- Os pareceres a que se referem os números anteriores podem concluir com propostas concretas, para apreciação pela Comissão, cujo parecer final pode concluir o processo de escrutínio.

4- Sempre que delibere elaborar relatório sobre matéria da sua competência, a Comissão anexa os pareceres solicitados a outras comissões.

5- Quando esteja em causa a apreciação de propostas de actos comunitários de natureza normativa, a Comissão, recolhidos os pareceres necessários, pode formular um projecto de resolução, a submeter a plenário.

6- Nos restantes casos, a Comissão formula pareceres sobre as matérias em relação às quais seja chamada a pronunciar-se, podendo concluir com uma proposta concreta ou com um projecto de resolução.

 

Artigo 13º

Pareceres e Relatórios

1 – Para cada assunto a submeter ao Plenário da Assembleia da República, bem como para os efeitos previstos no artigo 35º do Regimento, será proposto pela Mesa, à apreciação da Comissão, um ou mais Deputados responsáveis para elaboração do Parecer ou do Relatório, respeitando, tanto quanto possível, um critério de proporcionalidade e alternância dos Grupos Parlamentares.

2 – Sem prejuízo da aplicação do disposto no número anterior, o parecer ou relatório deverá, em princípio, ser confiado ao Deputado que deseje assumir a sua feitura.
3 – A elaboração dos pareceres deverá obedecer ao disposto no artº 137º do Regimento.

 

Artigo 14º

Deliberações

1 – A Comissão só pode tomar deliberações sobre assuntos que constem da ordem de trabalhos da respectiva reunião.

2 – As deliberações são tomadas por maioria simples dos seus membros em efectividade de funções, salvo quando os assuntos, à luz do Regimento da Assembleia, exijam maioria qualificada.

 

Artigo 15º

Votações

1 – As votações realizar-se-ão de braço levantado, salvo no respeitante a matérias para as quais o Regimento da Assembleia exija escrutínio secreto na sua votação em Plenário.

2 – A votação é obrigatória, tendo a reserva de posição para o Plenário da Assembleia da República o significado de abstenção.

3 – A votação de determinada matéria pode ser adiada uma só vez para reunião seguinte se tal for proposto pelo Presidente ou requerido por qualquer Grupo Parlamentar.

 

Artigo 16º

Actas

1 – De cada reunião da Comissão é lavrada uma acta, da qual devem constar a indicação das presenças e das faltas, um sumário dos assuntos tratados, as posições dos Deputados, dos grupos parlamentares e o resultado das votações, com as respectivas declarações de voto individuais ou colectivas.

2 – As actas são elaboradas pelos técnicos que prestam apoio à Comissão.

 

Artigo 17º

Publicidade

1- As reuniões da Comissão são públicas.

2- A Comissão pode, excepcionalmente, reunir à porta fechada, quando o carácter reservado das matérias a tratar o justifique, nomeadamente nos casos de reuniões conjuntas com outras comissões que assim o solicitem.

3 - As Actas, os Pareceres e Relatórios elaborados pela Comissão serão publicadas integralmente no portal da Assembleia da República na internet.

 

Artigo 18º

Apoio à Comissão

1 – Os serviços da Assembleia assegurarão o apoio técnico e administrativo à Comissão, cabendo-lhe, designadamente:

- Colaborar na elaboração das actas e na preparação dos relatórios de actividades;

- Reunir os elementos informativos de que a Comissão careça.

2– Será mantido um arquivo próprio e assegurada uma informação documental actualizada sobre as matérias e assuntos respeitantes à Comissão.


Artigo 19º

Apoio aos Grupos Parlamentares

Nas reuniões da Comissão ou das Subcomissões os Grupos Parlamentares poderão fazer-se acompanhar por assessores técnicos.

 

CAPÍTULO IV

Subcomissões

 

Artigo 20º

Constituição

1- A Comissão pode constituir as subcomissões permanentes que entenda necessárias, precedendo autorização do Presidente da Assembleia da República, ouvida a Conferência dos Presidentes das Comissões Parlamentares.

2- A Comissão pode ainda constituir grupos de trabalho, tanto para apreciação de processos legislativos como para tratamento de outros assuntos.

3- A deliberação de constituição de qualquer subcomissão e grupo de trabalho contém a definição do respectivo âmbito e competências.

 

Artigo 21º

Limitação de poderes e funcionamento

1– As subcomissões não têm poder deliberativo, sendo as conclusões dos seus trabalhos submetidas à apreciação da Comissão.

2– Aplicam-se às subcomissões, com a necessária adaptação, os preceitos que regem o funcionamento da Comissão.


CAPÍTULO V

Disposições finais

 

Artigo 22º

Revisão do Regulamento

O presente Regulamento pode ser alterado em qualquer momento sob proposta da Mesa ou de qualquer membro da Comissão, desde que incluída na respectiva ordem do dia. Artigo 23º Casos omissos Nos casos omissos ou de insuficiência deste Regulamento aplicar-se-á, com as necessárias adaptações, o Regimento da Assembleia da República.


Assembleia da República, em 30 de Outubro de 2007

O PRESIDENTE DA COMISSÃO

Vitalino Canas

Acessibilidade Acessibilidade Ficha técnica Administrador Reserva de Propriedade Política de Privacidade Cookies
© Assembleia da República